domingo, 3 de abril de 2011

Um Pouco de Nossa História

            
           Canguaretama, uma das cidades mais antigas do Rio Grande do Norte teve sua origem primitiva a partir de pequenos povoados como o do engenho Cunhaú e da aldeia de Gramació, depois Vila Flor. Suas terras férteis favoreceram ao cultivo da cana-de-açúcar e outros cultivos, passando a ser o primeiro centro industrial da capitania.
            Em 1858, depois do desentendimento entre Sebastião Policarpo de Oliveira e Padre José de Matos da Silva, duas autoridades políticas daquela época, a sede administrativa foi transferida para o povoado do Saco do Uruá, que após passou a chamar-se simplesmente Uruá. Sua população era constituída especialmente de negros e índios. Com a chegada da imagem de Nossa Senhora da Penha, o povoado passou a chamar-se Penha, por sugestão do Frei Serafim de Catânia.
           Em 16 de abril de 1885, com a lei nº 955 de autoria do Deputado Provincial Francisco Gomes da Rocha Fagundes, o povoado passou a categoria de cidade com o nome de Canguaretama, que em tupi-guarani significa “VALE DAS GRANDES MATAS”, mesmo assim, algumas pessoas continuam a chamá-la de “Penha”.
  • Área Territorial: 245,49 Km²;
  • Data de Criação: 19 de julho de 1858;
  • Coodenadas da sede: -35º 07´  44,40`` Longitude e -6º 22`  48,00`` Latitude;
  • Grande Região Geográfica: Região Nordeste;
  • Códig do Município no IBGE: 2402204
             Em 2005, a administração pública possuía o maior peso na economia municipal, seguido dos serviços (exclusive administração pública). A relevância econômica do setor administração pública em Canguaretama é confirmada pelo elevado número de pessoas ocupadas no setor. Apesar da importância econômica dos serviços, esse fator apresenta baixa diversificação.

     

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;