domingo, 3 de julho de 2011

Gestantes do interior superlotam Januário Cicco

      A Maternidade Escola Januário Cicco, que há anos trabalha no limite de sua capacidade em virtude da falta de assistência médica no interior, está vivendo um quadro ainda mais grave esta semana, por causa da greve dos pediatras e obstetras da Maternidade Divino Amor, em Parnamirim, que também recebe pacientes de outros município. O diretor geral da Maternidade Januário Cicco, médico Kleber Morais, informou que a unidade tem  86 leitos para internação das mulheres, mas com a greve da maternidade de Parnamirim o número de atendimentos aumentou em 20%: "A superlotação é corriqueira, mas agora a situação está muito mais complicada".
      Uma senhora grávida passou por três municípios e não encontrou atendimento. Ela disse que  veio de Baía Formosa. Ela acrescentou que de Baía Formosa seguiu por Canguaretama - "não fiquei porque lá só faz cirurgia cesariana nas quartas-feiras". Em seguida, foi para São José do Mipibu, onde não conseguiu se internar "porque não tinha anestesista".
       Por causa da superlotação, até a sala pré-parto, onde as parturientes têm um atendimento preliminar antes de seguirem para a sala de parto, está sendo usada pelas pacientes. Onde existem três camas, estão pelo menos sete mulheres, algumas tomando soro e aguardando o chamado para fazer cirurgia cesárea. No mesmo local, uma bebê dormia em um berço ao lado da mãe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;