terça-feira, 9 de agosto de 2011

Desabafo


Redigido pela Profª Telma Lúcia da rede de ensino público da cidade de Canguaretama/RN

O  texto que escrevo é precisamente  um desabafo. Desabafo de uma profissional que está lecionando há mais de 23 anos e que não sabe se sobreviverá por mais dez anos, que é o tempo que ainda precisarei trabalhar por mais que ame muito o que faço.
Trago comigo muitas perguntas que não querem calar. E talvez a mais inquietante seja: o que será necessário acontecer para se fazer uma reforma educacional neste país?
Constantemente ouço ou leio reportagens, vejo propagandas na TV com as autoridades educacionais proclamando a má formação de seus professores, culpando as universidades, a falta de cursos de formação e culpando-nos, evidentemente. Se a educação neste país não vai bem, só existe um culpado: o professor.
Então passo a fazer alguns  questionamentos:
Como um professor de escola pública pode fazer o seu trabalho se ele precisa ficar constantemente parando sua aula para separar a briga entre os alunos?
Como um professor pode dar uma boa aula, se lhe falta material pedagógico adequado?
Dia a dia… minuto a minuto… nós professores somos alvos de agressões verbais e, até mesmo, físicas pelos alunos.
 A cada dia somos submetidos a graus de stress insuportáveis e temos que dar conta do conteúdo a ser ensinado, sermos responsáveis pela segurança física de nossos alunos, sermos médicos,  enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, psiquiatras, mãe, pai…
Conheci, conheço e convivo ao longo de minha carreira do magistério na escola  pública; inúmeros profissionais maravilhosos. Pessoas que amam a sua profissão, que se preocupam com seus alunos, que fazem trabalhos excepcionais. São profissionais que possuem conhecimento e formação excelentes, mas que estão desgastados e, quase arrasados diante da atual situação educacional. (…)
Quem é que quer ser professor? Quem é que quer entrar numa carreira que está sendo extinta, não só pela total desvalorização e desrespeito, mas também pela falta de segurança que estamos enfrentando nas escolas?
Vocês têm conhecimento de como os professores de nosso país estão adoecendo? Vocês sabem o que é enfrentar o stress que a violência moral e física têm nos submetido a cada dia?
Você sabe o que é ouvir de um pai frases assim: “Meu filho mentiu, mas ele é apenas uma criança!” “Eu não sei mais o que fazer com o meu filho”?
Classes superlotadas,  falta de material pedagógico, espaço físico adequado.

 Regras educacionais dissonantes da classe social dos alunos. Impunidade. Mas, mesmo assim a educação não vai bem por causa do professor! 
O que me chama mesmo a atenção é o fato de o professor ocupar um lugar tão importante dentro do plano nacional de desenvolvimento e ser, ele, tão mal remunerado. Pouca gente, ou ninguém, seria capaz de encontrar uma justificativa plausível para profissionais tão importantes serem tão mal pagos, mal reconhecidos. Então por que não mudar? 
Sem falar que, um professor há 23 anos em sala de aula, os proventos que recebe mensalmente, se colocarmos na ponta do lápis, só dá para comprar remédio para depressão, pressão alta, diabetes etc.
Sem falar nas perseguições da política partidária que enfrentamos diariamente. Sou prova viva disso, fui perseguida e, muitas vezes, desrespeitada.
Encerro este desabafo com a pergunta: quando é que isso irá acabar? Se vivemos uma democracia, que democracia é essa? E quantas vezes subestimam a nossa inteligência?
Isso que passo a transcrever estava engasgado na minha garganta e hoje resolvi partilhar com meus colegas de profissão. Há dois anos e seis meses quando entrei numa crise depressiva e um dos Secretários, o  qual não irei revelar o nome, disse que isso era doença de quem não tinha Deus.
 Quero que saiba, secretário.... que eu tenho Deus sim, e rogo todos os dias a ele que você nem ninguém da sua família venha a ter essa maldita doença.
E quando meu psiquiatra solicitou meu remanejamento de sala de aula, ao chegar na Secretaria de Recursos Humanos deste município  me encaminharam para uma médica por nome de Auxiliadora, em tal momento  ouvi quando uma das atendentes disse que eu já estava ali, e  ouvi quando a então médica referiu-se a mim como “a tal de Telma”, como se ela me conhecesse e eu fosse uma delinquente. Amados colegas, imaginem tudo isso que passei.
É, gente, estava realmente engasgado, mas como diz a Bíblia: “ há tempo pra tudo, pra chorar, pra sorrir, pra plantar, pra colher”,  e eu estou esperando o meu tempo de sorrir.
Quero deixar bem claro que eu amo o que faço, mas para se fazer algo bem feito necessitamos de local adequado, material pedagógico adequado, gestores conscientes e  com postura de líder e respeito para com esses profissionais que são formadores de opiniões. Sem falar que, quando nos seus discursos falam dos avanços do plano de Carreira, que na verdade quando falam é como se tivessem feito um favor, e na verdade, não fizeram  mais  que sua obrigação.
Quando o povo escolhe seus governantes é para eles trabalharem em prol do povo e para o povo, portanto nada que o faz é favor, é “ OBRIGAÇÃO”.

                                                 Professora: Telma Lúcia

12 comentários:

  1. GENTE ONDE SERÁ Q ESTÁ OS MATERIAIS DE EXPEDIENTE Q A PREFEITURA COMPROU A EMPRESA DA SENHORA HELOÍSA FIRAS??? SE CHEGOU EM ALGUMA ESCOLA DIGA POIS NA NOSSA AINDA ESTAMOS ESPERANDO .

    ResponderExcluir
  2. magnífico desabafo professora Telma, espero que com essa mesma garra que a senhora escreveu, também lute para se fazer justiça nas próximas eleições.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo desabafo e pela coragem em desabafar professora Telma! Pois acho lamentável que um professor que lutou por seus direitos e que por ventura tenham sido reconhecidos, diga-se de passagem com muita luta, ache que isso é favor.

    PROFESSOR É A MAIS DIGNA DE TODAS AS PROFISSÕES E MERECE TODO NOSSO RESPEITO E RECONHECIMENTO.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns professora Telma Lúcia, mas essa é a única profissão que nunca será extinta, pois todas as outras dependem dela.

    ResponderExcluir
  5. telma_alves@ig.com.br14 de agosto de 2011 17:29

    Agradeço aqueles que me parabenizaram, mas o que fiz não foi para aparecer e, sim, para que os meus colegas professores tivessem conhecimento das humilhações que vivi e vivo ao longo desta administração. E nunca vou me pronunciar como anônimo, a CF deixa bem claro em seu art. 5º, inciso IV é livre a manifestação do pensamento. E em relação ao colega anõnimo que faz um apelo em que eu lute pra se fazer justiça na próxima eleição, não sou candidata a nada mais juntos e em prol de um só objetivo "somos a força maior" afinal somos formadores de opiniões.

    ResponderExcluir
  6. telma_alves@ig.com.br15 de agosto de 2011 19:15

    É verdade, todas as demais profissões dependem do PROFESSOR, até concordo com você "Mas é a profissão menos reconhecida". Se fizermos uma entrevista com diversos alunos e perguntasse quem quer ser professor? aguarde a resposta: e seria não, pra se ter uma ideia um aluno de Direito, medicina e outros, quando conclui o terceiro grau é chamado de Dr. Enquanto o professor é chamado da tal "fulana" se os gestores não tomarem consciência disso brevemente quem quer ser professor? analise junto comigo e você verá que a coisa é mais séria do que o que se imagina.Um abraço carinhoso!!!

    ResponderExcluir
  7. LETRA DO VIDEO "UM BOM PROFESSOR"

    Confira abaixo a letra do vídeo que o governo está veiculando na tv para valorização de nossa profissão. Achei o vídeo muito bem feito.

    UM BOM PROFESSOR, UM BOM COMEÇO

    A base de toda conquista é o professor
    A fonte de sabedoria, o professor
    Em cada descoberta, cada invenção
    Todo bom começo tem um bom professor
    No brilho de uma ferrovia
    (um bom professor)
    No bisturi da cirurgia
    (um bom professor)
    No tijolo, na olaria, no arranque do motor
    Tudo que se cria tem um bom professor
    No sonho que se realiza
    (um bom professor)
    Cada nova ideia tem um professor
    O que se aprende, o que se ensina
    (um professor)
    Uma lição de vida, uma lição de amor

    Na nota de uma partitura, no projeto de arquitetura
    Em toda teoria, tudo que se inicia
    Todo bom começo tem um bom professor
    Tem um bom professor

    Gente, confesso que sem irônia alguma o vídeo veiculado pelo governo é mais pura verdade. E, que, como já falei quando do meu desabafo que propagandas existem muitas só não existem ações, por parte dos gonvernantes. Se somos tudo isto. por quê somos tão desvalorizados? para conseguirmos nossos direitos temos que brigar na Justiça! ai, eu pergunto que Pais é esse?

    ResponderExcluir
  8. Louvável atitude, enquanto baixarmos nossas cabeças farão muito bem o que queres, por isso temos que lutar.

    ResponderExcluir
  9. Gente, 2012 se aproxima ano de eleição como todos sabem, e gostaria de lembrar dos cuidados que devemos ter na hora de decidir em quem votar. Na hora de esolhermos quem irá ministrar o destino da nossa cidade. De olho.

    ResponderExcluir
  10. Como Votar Certo?

    Caros amigos o próximo ano teremos eleição para prefeito e vereadores, todavia, por causa de tanto abusos e corrupções que assolam nosso País, voltamos a pensar um pouco sobre o que precisaremos fazer para votar certo. Mas, afinal, o que é votar certo? A pergunta não parece tão simples de ser respondida, pois envolve a história de cada ser e o contexto social, político e econômico em que se encontra. É necessário que cada cidadão dê a necessária importância ao seu voto e seja mais participativo nas questões que o envolvem no dia a dia e nos entraves que ocorrem à sua volta.
    Esse momento requer que escolhamos, outra vez, entre todos os candidatos que ai vão está, gente séria e responsável, revestida de sólido caráter ético e moral limpa para nos representar. Devemos aproveitar, sim, essas eleições para, juntos, resgatarmos o valor e a relevância do exercício do voto. Que tenhamos consciência da fundamental importância da ética para escolher cidadãos honestos no trato da coisa pública e, claro, do interesse coletivo.
    Tornando imprescindível buscar informações sobre os candidatos, visto que cabe a cada um de nós a responsabilidade da participação e do voto honesto, sem troca. Mais do que usar slogan “vote certo”, precisamos pensar e repensar sobre a atuação de nossos representantes no parlamento e no executivo, sair dos porões de nossa consciência e exigir, renovação no processo político partidário do País, o que demanda seriedade, voluntarismo e participação permanente de cada cidadão. Sendo de extrema necessidade realizar as mudanças e transformações necessárias que desejamos alcançar.
    Que não paremos para pensar somente no momento da eleição que certamente terá um preço, o de ter exercido ou não a cidadania. E esperamos do eleitor segurança e sabedoria na hora de exercer sua cidadania ativa “votar” e, consequentemente, o acompanhamento e a cobrança àqueles a quem conferimos nossa confiança e a quem credenciamos como nossos legítimos representantes.
    Dos nossos pequenos gestos e ações realizadas poderemos fazer emergir um novo significado para nossas vidas e, assim, projetarmos nossa identidade no processo para a re-construção cidadã. Tendo em vista, que o exercício da cidadania no Brasil ainda está engatinhando, por isso é necessário participar e debater sobre questões de interesse do povo como um todo.
    Observamos que, com o processo de redemocratização do País, ainda em construção, e a Constituição Federal de 1988, avançamos um pouco mais, no entanto, ainda temos muito que fazer. Precisamos suprimir a visão reducionista que temos da cidadania. Por exemplo, voto (obrigatório) e simplesmente pagar os impostos, cumprindo situações que nos são impostas.
    Evidentemente, nos deparamos ainda, com muitas barreiras culturais e históricas que nos impossibilitam praticar a cidadania em sua plenitude. Compreendamos, contudo, que os direitos que temos hoje não nos foram conferidos, mas conquistados; não se trata de uma concessão nem favor de quem está no poder.
    A cidadania, não nos é oferecida gratuitamente; ao contrário, "é re-construída e conquistada, a partir da nossa capacidade, participação e intervenção social."


    Professora: Telma Lúcia

    ResponderExcluir
  11. Amigos do blog Canguaretama em Chamas, sou fâ assídua deste e, tenho observado que o blog está de cara nova. De início já quero pedir minhas desculpas pois sou crítica quando não gosto de qualquer coisa que me incomoda já boto a boca no trobone, já tenho sofrido muito por ter essa postura, mas vou morrer assim. É que tenho percebido que desapareceu alguns ícone como "a contagem regressiva" e, isso dava vida ao mesmo, e outros que não vou citar. Com carinho. Professora Telma

    ResponderExcluir
  12. Voto não tem preço, tem consequência!!!!

    ResponderExcluir

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;