sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Ex-prefeito de Maxaranguape condenado a devolver R$ 465 mil aos cofres do município

           O então prefeito de Maxaranguape, Amaro Alves Saturnino, teve a prestação de contas referente ao 4º bimestre de 2002 considerada irregular pela Primeira Câmara do Tribunal de Contas,sendo condenado a devolver aos cofres públicos a quantia de R$ 465.843,49, correspondente a soma dos processos solicitados para análise pelo TCE e não entregues. O processo foi relatado pela conselheira Adélia Sales.
“A omissão quanto ao dever de prestar contas, por si só, gera presunção de irregularidades das despesas, e no presente caso, o gestor foi notificado e citado por mão própria, deixando transcorrer o prazo para remessa da documentação solicitada por esta corte de contas”, relatou a conselheira.O voto também foi pelo encaminhamento das principais peças do processo ao Ministério Público Estadual, para atuação no âmbito da sua competência.
Na mesma sessão, o conselheiro Carlos Thompson relatou processos  das prefeituras de Serra de São Bento, contas do Fundef  relativas ao exercício de 2002, sob a responsabilidade do sr. Francisco Erasmo de Morais; prefeitura de José da Penha, uma prestação de contas referente ao primeiro bimestre de 2003, sendo o ordenador de despesas o sr. José Josemar de Oliveira e uma prestação de contas referente ao 4º bimestre de 2004 da prefeitura de Lagoa de Pedras, sendo responsável o sr.Pedro Rocha Pontes. O voto foi pela irregularidade, em decorrência da omissão do dever constitucional de prestar contas, com ressarcimento dos valores que serão apurados, devidamente corrigidos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;