quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A FIGURA DO BABÃO


Diz-se da pessoa que bajula o seu chefe, o qual procura não desagradar e JAMAIS contra ele emite uma posição contrária. É uma pessoa pobre de espírito e que somente age assim com medo de sofrer retaliações tanto do seu chefe, como dos demais babões. Geralmente são pessoas egoístas e que querem alcançar resultados a todo custo, nem que para isso tenha que fazer fuxicos ao seu chefe sobre o seu colega. Procuram ter o máximo de intimidade com o seu superior, o qual por ser uma pessoa vaidosa e apegada ao poder adora ser babado. São pessoas traidoras, falsas.
Diz que gosta muito do chefe, que o chefe é uma pessoa especial, vai constantemente à casa do chefe, dedura o amigo de trabalho ao chefe, distorce a verdade dos fatos, tolera atitudes deseducadas do chefe, tem medo de morrer do chefe.
Prefeito entra, prefeito sai e tem uma figura que sempre está presente… o babão de político. Apesar de normalmente não gostar de trabalhar, o babão está sempre grudado no “chefe”, catando as migalhas do poder. Normalmente com grande criatividade (para o mal) o babão, em geral é desocupado, vive inventando boatos a favor do “chefe” e contra os “adversários”.
O babão quase sempre consegue viver à custa da população ocupando cargos públicos (sem concurso é claro) e normalmente são “assessores”. Tem assessor pra tudo quanto à imaginação possa conceber, tem até assessor de assessor. Alguns babões mais “espertos” conseguem enriquecer em uma só administração, outros perdem tudo e ainda ficam endividados, é o babão sem competência nem pra ser babão.
Fonte: Fabrícia Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;