segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Quem acredita que é possível guiar um povo na base do vira-casaca?

Mesmo que você não goste ou não entenda um pouquinho de política e dos políticos ou pseudo-políticos, deve estar observando e se perguntando sobre o efeito vira-casaca que ataca certa figura que deseja se inserir na política, mas que muda constantemente de opinião e idéias, sempre de acordo com sua própria conveniência.
Aí, fica difícil guiar projetos e interesses da população mais carente.
Todos sabem que o vira-casaca é um traidor em potencial.
Não é difícil encontrarmos nos mais diversos setores da sociedade: na política, no trabalho, no empresariado na educação, no esporte, etc.
O vira-casaca escolhe o inimigo a pedido do seu novo senhor e, ainda, ganha por isso espaços generosos para expressar suas “opiniões” teleguiadas.
Esse tipo de vira-casa sente prazer em dificultar acesso de pessoas competentes ao seu redor, pois só ele sabe, só ele pode, só ele decide e pronto. Falta personalidade.
 
Na Idade Média, época assustadora, os senhores feudais eram identificados nas cores das roupas que usavam. Os vira-casacas de plantão, no afã de agradar, estavam sempre com as duas cores em seus casacos. A cor do “novo senhor” deixada à mostra por fora e a outra cor do “inimigo” por dentro. Com essa idéia “espetacular”, os vira-casacas trocavam de senhores e podiam entrar nos gabinetes e participar das festas, inaugurações, banquetes e reuniões, virando apenas o avesso do casaco.

Um comentário:

  1. Gostei muito de seu blog é bem claro e foca muito o objetivo que vocês penssaram, visitem smstouros.blogspot.com e touroslitoral.blogspot.com, ambos desses saõ recem criados, espero um dia chegar ao nível de seu blog, valeu...

    ResponderExcluir

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;