terça-feira, 15 de novembro de 2011

PM da Paraíba é preso após fazer mais de 20 pessoas reféns no RN



Um cabo da Polícia Militar do estado da Paraíba foi preso após manter cerca de vinte reféns sob a mira de uma arma na praia Barra do Rio, no litoral norte potiguar. O fato aconteceu na noite de segunda-feira (14), próximo ao local onde ocorre a travessia das balsas, no sentido Jenipabu.
De acordo com informações passadas pela Delegacia de Plantão da Zona Norte, o policial contou que estava em um passeio turístico com a namorada e um amigo, pelo litoral norte, quando deu um cavalo de pau com o veículo na areia. A manobra se repetiu e não agradou os moradores da região. Populares se juntaram e agrediram o PM. O fato aconteceu à tarde.
O policial contou ainda que após ser agredido, retornou para uma pousada com a namorada e o amigo. À noite, resolveu retornar ao local da agressão para tirar satisfação. Ele voltou sozinho e armado. Para identificar quem o agrediu, o policial passou a render todos que passavam pelo local, ordenava que deitassem no chão e perguntava pelas pessoas que o bateram. Em um determinado momento, ao ver que uma moto se aproximava, Milton efetuou dois disparos. Os tiros não atingiram ninguém.

Uma das vítimas que estava rendida e deitada no chão conseguiu enviar uma mensagem de socorro para o pai, que é policial civil. Ele acionou as autoridades locais, que ao chegar ao local, conseguiram render Milton Maurent.
O policial foi preso em flagrante por constrangimento ilegal e disparo de arma de fogo. O soldado de polícia ficará detido no Quartel da Polícia Militar aguardando o julgamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;