sábado, 26 de novembro de 2011

“Sou ré de uma má fé que insiste em transformar em verdade frustrações inconfessáveis”, diz Wilma de Faria


Em nota à imprensa, a ex-governadora Wilma de Faria (PSB) se defendeu das acusações que envolveram seu nome, nas investigações que culminou com a Operação “Sinal Fechado”. Wilma foi acusado de se beneficiar com o esquema da Inspeção Veicular, através de recebimento de propinas.
Segue a nota:
Mais uma vez, sempre de má fé, o meu nome é envolvido em noticiário escandaloso como se para julgar a honra de alguém bastasse apenas substituir a verdade pela pirotecnia jurídica. Toda a opinião pública se recorda que, antes mesmo da minha posse para o primeiro governo, fui vítima de denúncia escabrosa de possuir uma conta milionária na suíça. Denúncia esta que desmoralizei perante a justiça e o povo.
Ao longo dos meus dois governos fui, várias vezes, acusada injustamente da prática de conviver com ilicitudes, sem sequer ser ré em qualquer ação judicial que apure crimes de corrupção.
Há nove meses os fatos anunciados na chamada operação “sinal fechado” são objeto de investigação do ministério público estadual que, não incluiu meu nome na relação dos acusados e não pediu qualquer medida contra mim. a má fé se caracterizou quando indagado pela imprensa durante entrevista coletiva, sobre as acusações objetivas contra mim, um representante do ministério público limitou-se, de forma precária, a dizer que não há provas contra a minha pessoa. Sou ré, sim, de uma má fé que insiste em transformar em verdade desejos, frustrações e medos políticos inconfessáveis.
Na elaboração da mensagem criando a lei de n. 7290, em dezembro de 2009, que instituiu o serviço de inspeção veicular no rio grande do norte, os ritos legais foram, rigorosamente, observados e cumpridos. O gabinete civil do governo submeteu a mensagem aos órgãos de assessoramento jurídico do estado, para, só então, encaminhar ao poder legislativo, onde a lei foi aprovada, em sessão pública.
A inspeção veicular, prevista na legislação federal, foi também cobrada pelo próprio ministério público, preocupado com o controle da poluição ambiental. A lei que sancionei nunca foi questionada pelo ministério público ou pelo poder judiciário. o envolvimento do meu nome é um ato de absoluta má fé. Não sou ré e as 189 laudas da petição do ministério público mostram que não sou. Não há na peça acusatória nenhuma denúncia que exija de mim pelo menos uma explicação.
Não quero acreditar que a insistência da má fé tenha se transformado em prestação de serviço político da parte de uma instituição que tem o dever de bem acusar os culpados, mas também de bem defender a verdade, para não pré-julgar inocentes, expondo à sanha da opinião pública, intencionalmente confundida. Desafio que provem qualquer envolvimento da minha pessoa nas denúncias de recebimento de propinas ou de conivência com lobistas. Sempre estive e continuo à disposição do povo e da justiça para prestar todos os esclarecimentos que a sociedade julgar necessário. Nada temo. Nem as mais sórdidas ameaças. Partam de onde partirem. A minha honra não conseguirão ferir.

Wilma Maria de Faria - Ex-governadora do RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;