quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Engenheiro afirma que houve facilitação na fuga de Alcaçuz

Segundo Marcos Glimm, de dentro das celas, nenhum preso consegue serrar os cadeados ou abri-la.
O engenheiro da Verdi Construções, Marcos Glimm, responsável pela construção do pavilhão de segurança máxima da Penitenciária de Alcaçuz, inspecionou o pavilhão nessa quarta-feira (24) e afirmou que houve facilitação na fuga dos 41 presos, nessa quinta-feira (19). Segundo Glimm, de dentro das celas nenhum preso consegue serrar os cadeados ou abri-la. Ele explicou que nas grades só tem uma portinhola para passar as quentinhas e a distância entre ela e a tranca no piso superior é de mais de um metro.Opinião que o novo diretor de Alcaçuz, tenente coronel Zacarias Mendonça, discorda. “Se for sacudida por muito tempo, acho que dá para abrir a tranca”, afirmou.
O engenheiro ressaltou que, ainda que os presos conseguissem abrir as celas, eles teriam que passar por outras duas portas até chegarem ao solário, mas reconheceu que o material usado nas grades do solário é diferente do usado nas celas.
“As grades do solário não foram feitas com o mesmo material que as das celas porque não é para preso algum conseguir alcançá-la numa situação normal de funcionamento do pavilhão" disse.
Para o engenheiro não resta dúvida que a fuga foi motivada por algum “erro de gestão”.
Ele revelou que o Governo ainda tem um dívida de cerca de 8 milhões com a construtora pelo custo da obra, mas afirmou que ainda assim a empresa reformará as paredes e grades danificadas na fuga.
Apesar de só ter pagado 20% do custo da construção do pavilhão, o Governo solicitou a Verdi Construtora o orçamento para a construção de quatro novas prisões, nos municípios de Lajes, Macau, Ceará-Mirim e Parnamirim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;