sexta-feira, 9 de março de 2012

Nossa História: A Mulher no panorama histórico de Canguaretama/RN

Di Cavalcanti - mulheres protestando
Por. Francisco Alves Galvão Neto (uma parcial histórica)

A mulher de Canguaretama nunca teve grande destaque, nem a valorização de vida. Canguaretama sempre foi área de domínio dos homens. Até o ano 2000, entre todas as ruas do centro da cidade só uma possuía nome de mulher, rua Princesa Isabel; na Areia Branca a rua Nossa Senhora da Conceição; em Piquiri as ruas Olívia de Sousa e Carolina Shuller da Rocha; na Barra do Cunhaú a rua Maria Canoa.
A referência mais antiga que conheço de uma atuação feminina na sociedade canguaretamense é da Negra Caiá, que chefiou um movimento de protesto na cidade. Foi a Revolta do Quebra Quilo, 1875, encabeçada e feita pelas mulheres contra as novas medidas do sistema decimal que se estabeleciam no Brasil.
Até a metade do século XX, as mulheres se limitavam a ser professoras, se não quisessem ser apenas mães e donas de casa. As primeiras vereadoras foram as irmãs Gasparina e Guacira, do povoado de Baía Formosa, que fazia parte de Canguaretama, eleitas em 1954. Depois disso, só na década de 1980 a Câmara municipal receberia outras mulheres: Toinha da Barra e Ainha.
A mulher canguaretamense foi bem representada pela dona de casa, ao lado do marido; a que tecia a palha da carnaúba, a que dava formas ao barro, a beata, a rezadeira, a parteira. Todas elas tiveram sua parcela na construção da nossa identidade, porém, a professora foi o grande marco feminino na cidade.

Um comentário:

  1. Nao podemos esquecer de Mary Boudoux, vereadora atuante nos anos 60em Canguaretama. Atenciosamente, Socorro Rabelo

    ResponderExcluir

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;