segunda-feira, 16 de abril de 2012

Canguaretama: Aniversário de Emancipação Política da cidade continua sendo comemorado no dia errado???(Parte I)


Imagem aérea de Canguaretama. Fonte: Portal Canguaretama RN

O primeiro núcleo colonizador foi a aldeia Gramació, fundada em 1743 por um jesuíta, o padre André do Sacramento, situada à margem esquerda e acima uma légua da Barra de Cunhaú. A aldeia Gramació foi elevada a vila com o nome de Vila Flor, em obediência à Carta Régia de 3 de Maio de 1755, que transformava em vilas os antigos aldeamentos indígenas.
A sede municipal de Vila Flor foi transferida para o povoado de Uruá, com a denominação de Vila de Canguaretama em 19 de julho de 1858, através da Lei n° 567, criando então, o município de Canguaretama, depois de uma briga entre Sebastião Policarpo de Oliveira (dono do engenho Juncal) e o padre José de Matos Silva.
A vila tinha como  base econômica de sobrevivência o comércio do pau-brasil, o plantio da cana-de-açúcar e a pesca. No dia 31 de Outubro de 1882, foi instalada a estação ferroviária.
A Lei Provincial n° 955, de 16 de Abril de 1885, elevou a sede do município à categoria de cidade, instalada em 18 de Setembro do mesmo ano.

O nome Penha foi dado ao povoado antes de se tronar município (foi oficial por menos de um mês). Na época existiam dois tipos de municípios: as vilas (municípios menores) e cidades (municípios maiores em população). Em 1885 (16 de abril) o municipio deixou de ser cahamdo de "Vila de Canguaretama" para apenas "Canguaretam" pela Lei Provincial n° 955. Porém é necessário que se diga que a fundação ocorreu desde 1858 (dia 19 de julho). Assim, Canguaretama completa este ano 154 anos de existência e seu aniversário deveria ocorrer em 19 de julho.

A história da região registra o trágico acontecimento chamada Martírio de Cunhaú, ocorrido no Engenho Cunhaú, no dia 16 de Julho de 1645: O delegado do Conde Maurício de Nassau, Jacob Rabi, chegou a Cunhaú acompanhado pelos índios Janduís. Durante a missa dominical, celebrada pelo padre André de Soveral, o delegado Jacob mandou os índios invadirem a capela e matarem o padre e todos os devotos. O ataque feroz e de surpresa transformou-se num amplo massacre, que envolveu até os que se encontravam na casa grande do engenho. Apenas três pessoas conseguiram escapar para contar a história.
Significado do Nome: O nome Canguaretama significa vale das matas, onde há muitas árvores.
Aniversário da Cidade: 19 de Julho

Pórtico da entrada principal da Cidade de Canguaretama/RN

Assessoria para Pesquisa: Prof. Francisco Alves (adaptado)

3 comentários:

  1. Esse texto do "IDEMA" contém muitos erros. Por exemplo: a expulsão dos jesuítas ocorreu em 1755, 103 antes do surgimento do município de Canguaretrama.
    Quando os Jesuitas foram expulsos do Brasil é que surgiu Vila Flor (1762 ou 1769).
    A sede municipal de Vila Flor foi transferida para o povoado de Uruá, com a denominação de Vila de Canguaretama em 19 de julho de 1858, através da Lei n° 567, criando então, o município de Canguaretama, depois de uma briga entre Sebastião Policarpo de Oliveira (dono do engenho Juncal) e o padre José de Matos Silva.

    ResponderExcluir
  2. O nome Penha foi dado ao povoado antes de se tronar município (foi oficial por menos de um mês). Na época existiam dois tipos de municípios: as vilas (municípios menores) e cidades (municípios maiores em população).
    Em 1885 (16 de abril) o municipio deixou de ser cahamdo de "Vila de Canguaretama" para apenas "Canguaretam" pela Lei Provincial n° 955.
    Porém é necessário que se diga que a fundação ocorreu desde 1858 (dia 19 de julho).
    Assim, Canguaretama completa este ano 154 anos de existência e seu aniversário deveria ocorrer em 19 de julho.

    ResponderExcluir
  3. Como já disse antes: Essa é uma prova que, como um advogado, médico ou engenheiro, o historiador tem que ter sua área de trabalho respeitada. Tem muita gente sem competência querendo fazer o trabalho de historiador. Tá ai o que ocorrer...

    ResponderExcluir

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;