segunda-feira, 14 de maio de 2012

Plano de saúde para o idoso deve ficar até 60% mais barato


Para aliviar o bolso de quem paga convênio médico, um projeto das empresas de planos de saúde e de previdência privada poderá baratear em até 60% a conta para os idosos brasileiros.
O preço do plano não vai baixar, mas será possível fazer uma poupança extra, por meio de uma previdência privada, enquanto trabalha para pagar até 60% da mensalidade quando for idoso, explica José Cechin, diretor executivo da Fenasaude (Federação Nacional de Saúde Suplementar).
— A ideia é que, enquanto trabalha, dos 20 aos 60 e poucos anos de idade, além do plano, ele paga uma pequena quantidade a mais, que pode ser repartido entre ele e a empresa, se esta topar, e coloca o dinheiro em uma previdência. Quando chega aos 60 anos, terá um capital acumulado e sacando um pouco por mês, ajuda a pagar o plano.

Cechin lembra que os gastos com saúde são crescentes em todo o mundo e poupar para o plano de saúde é possível porque, enquanto trabalha, o brasileiro teria renda suficiente para pagar um pouco a mais. Segundo projeto, cada consumidor ou empresa poderiam definir o montante que seria colocado na poupança extra.
Em uma simulação, o diretor da Fenasaude considerou um plano no valor de R$ 100 para um jovem de 18 anos e um pequeno adicional que elevaria a mensalidade para R$ 115. Após os cálculos, esse jovem pagaria menos da metade do preço do plano quando idoso.
— Eu fiz uma simulação com um acréscimo de 15% sobre a mensalidade. Se acrescentar 15% sobre a mensalidade, ao chegar aos 65 anos de idade terá um capital suficiente para pagar 60% de R$ 600, que dá R$ 360. Ele poderia pagar R$ 360 sacando da conta de previdência e esse capital duraria 20 anos, dos 65 anos aos 85 anos, que é um pouco mais que a expectativa de vida do brasileiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;