domingo, 17 de junho de 2012

Canindé da Silva, dirigente do Sinte-RN e da CUT, morre em acidente na BR-406, entre João Câmara e Natal

O técnico administrativo do quadro de servidores da Secretaria Estadual de Educação (SEEC), Francisco Canindé da Silva, que era dirigente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Rio Grande do Norte, morreu em acidente automobilístico, às 4h da manhã deste domingo, dia 17, na rodovia federal BR-406, entre João Câmara e Natal.

Francisco Canindé da Silva também era candidato às eleições do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Rio Grande do Norte (Sinte-RN), prevista para a próxima quinta-feira, dia 21 de junho. Silva integrava a chapa 1, que é apoiada pela situação e disputará as eleições do Sinte-RN com duas chapas de oposição, e concorria ao cargo de Diretor de Relações Públicas.

O velório do dirigente está previsto para acontecer na sede do Sinte-RN.

Com informações da Tribuna do Norte

Um comentário:

  1. Bom dia a todos e a todas, caros colegas não só perdemos um líder e um militante na defesa da educação ,mais perdemos um grande amigo,tive o prazer de conviver com Canindé durante dez anos de minha vida de sindicalista e militante do nosso sindicato,o sinte ainda esta de luto,mas mesmo assim tivemos que continuar fazendo o nosso trabalho, tivemos ontem dia 21 eleições do sinte estadual ao qual ele concorria para reeleição , e temos a certeza Canindé esteja aonde estiver ai em cima que fizemos por vc, pq sabemos muito bem qual era o seu obejtivo e vamos oferecer a vitória a vc temos Fé em Deus,o Sinte/rn, não só perdeu um amigo e companheiro nas horas de sufoco mais perdeu um grande lutador, peço a Deus que ele te ilumine e coloque os espirítos de luz pra te receber um grande abraço amigo, fica com Deus. Josélia

    ResponderExcluir

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;