sábado, 16 de junho de 2012

Padres políticos podem deixar de celebrar missa

A nota enviada pela Arquidiocese de Natal na manhã de quinta-feira (14) evitou comentar as eventuais punições aqueles padres que descumprirem o que o arcebispo Dom Jaime Vieira Rocha “apelou” para que não fizessem: “disputar as eleições e seguir membros de partidos políticos”. Em contato com O Jornal de Hoje nesta sexta-feira, porém, as consequências foram reveladas e se “iniciam” com a suspensão imediata do direito de exercer o trabalho da Igreja.

Ou seja, segundo a Arquidiocese, tão logo o religioso se lança candidato, ele tem suspensa a autorização de celebrar missas e consagrar a eucaristia, por exemplo. A suspensão, por sinal, é por tempo indeterminado e só pode ser alterada depois de análise da Arquidiocese.

Isso, porque se perder a campanha eleitoral ou então ser eleito, mas ao final do mandato, quiser voltar para a Igreja, o sacerdote terá que passar pela a avaliação de como foi a conduta dele durante o período afastado. Se a forma não agradou, o padre pode ficar suspenso por um período maior ou, até mesmo, perder o ministério.

com informações do girorn.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo o conteúdo postado em forma de comentário é de total responsabilidade do autor do mesmo!
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;